08 jun2012

Adriana Gryner está prestes a integrar o seleto grupo de pessoas que irá palestrar no TEDx Rio + 20, a versão local do evento que nasceu na Califórnia em 1984 e faz parte da programação paralela à Rio + 20. Desde seu nascimento, o TED cooptou nomes como Bill Gates, Bono Vox e até mesmo a primeira dama Michelle Obama para falar em suas conferências, disponibilizadas na íntegra em seu site. Seguindo a risca o tema do TED – Tecnologia, Entretenimento e Design – de disseminar a palavra, desde, é claro, que mereça ser espalhada, Adriana teve a tal boa ideia. Fundou em 2008 a ONG ‘Tem Quem Queira’, que reaproveita banners e lonas vinílicas descartadas após o fim de eventos para ensinar detentos, por enquanto apenas os do Presídio Ferreira Neto, a costurar, transformando esse material que viraria lixo em bolsas, comercializadas sob encomenda  em uma loja montada em uma das estações do metrô carioca.

 

O projeto surgiu dentro da agência LG Ventura, da qual é sócia, da necessidade em buscar soluções sustentáveis para os eventos corporativos que atuava. Junto com Marco Luna, criou então a ONG que tem como fundamentos “Dar certo fazendo a  coisa certa; ausência de preconceito; respeito e dignidade”. A Tem Quem Queira já ensinou a arte da costura à cerca de 200 detentos, que fabricam atualmente algo em torno de 4 mil bolsas por mês. A iniciativa ganhou os prêmios “Rio Sócio Cultural” em 2009  e o “Sócio Ambiental Benchmarking Brasil” em 2011.

 

Confira abaixo a entrevista exclusiva que ela deu para a OSC, produtora de 3 programações paralelas: Prêmio Gescom, Prêmio- E e Tedx Rio + 20.

Com a palavra, Adriana Gryner:

 

 

1.  OSC:  O que muda na vida dos detentos que participam do programa?

Adriana Gryner: Nós os qualificamos, empregamos, ajudamos na re-inserção social e econômica. Mas o mais importante é a chance de se renovarem. Além disso, há a remissão. Para cada 3 dias trabalhados, um a menos de pena.

2.  OSC: Como eles podem se candidatar  a trabalhar pela ONG, quais são os critérios?

AG:Quem nos indica a mão de obra é a Fundação Santa Cabrini, que administra a mão de obra prisional. Como estão sob a custódia do estado enquanto estiverem detidos, não podemos contratá-los diretamente. Fazemos através desta Fundação, um orgão da Secretaria de Administração Penitenciária.

3.OSC: Quanto tempo eles podem trabalhar na TQQ?

AG: O quanto quiserem. Vamos promovendo, realocando, abrindo outras oficinas, vai cabendo todo mundo.

4. OSC: Quais são as principais dificuldades desse projeto?

AG: As mesmas que tenho na minha agência. Nada de diferente.

5.  OSC: Qualquer detento pode participar ou depende da periculosidade dele?

AG: Qualquer um, mas sempre com a indicação da Fundação. Temos todos os tipos de detentos dos mais variados crimes, homens e mulheres.

6. OSC: Para onde vai o lucro com a venda das bolsas?

AG: É todo revertido de volta ao projeto.

7.  OSC: Existem planos de implementação do projeto em outros presídios, além do Ferreira Neto?

AG: Nossa intenção é sempre multiplicar, quanto mais oficinas melhor.

 

8.  OSC: Quanto ganha o preso, quantas horas ele trabalha por dia?

AG: Trabalha entre 7/8 horas por dia e recebem cerca de 1 salário do piso da categoria, mais alimentação e transporte.

9. OSC: Como é feito o recolhimento do material reciclável, é de graça?

AG: Para o doador é de graça sim, mas para nós não. Tem o custo do transporte, da mão de obra para a retirada, para a limpeza, lavagem, corte e acondicionamento das lonas. Com certeza entrar numa fábrica e comprar o tecido seria mais fácil e barato.

10. OSC:  Existe alguma oficina do lado ‘de fora’?

AG: Sim! Uma na Rua do Rosário (para detentos em regime semi-aberto, ainda dormem na cadeia e trabalham na oficina de dia) e outra no Morro do Turano, para os moradores da comunidade.

11. OSC: No que vai se basear a sua palestra no TED? O que significa pra você falar em um evento como esse?

AG: Vou falar sobre a viabilidade de uma empresa social; sobre se indignar e atuar; sobre renovar vidas e sobretudo, de como atitudes simples podem fazer a diferença.

Para mim significa uma grande responsabilidade e uma honra. Adoro o TED, acompanho há anos. Ainda estou rindo à toa.

12. OSC:  Quais são as empresas que mais colaboram?

AG: Embratel e Bradesco Seguros são patrocinadoras de 2 das nossas oficinas. São super parceiras e embarcaram com a TQQ em 2 desafios: a Embratel em abrir uma oficina para regime semi aberto, a única do estado.  E o Bradesco Seguros em entrar com a gente em uma comunidade pacificada. Além delas, várias outras empresas são doadoras e recompram as lonas que doam em produtos, Unimed-Rio; Anglo American; Prezunic; SR Com; Sistema Firjan; Coca Cola e Governo do Estado.

 

Confira outros nomes presentes do Tedx Rio +20:

 

Hans Donner

Designer gráfico responsável por mais de 30 anos da identidade visual da Rede Globo de Televisão, Hans Donner se transformou em mago. Austríaco, mas carioca de coração, expôs seus trabalhos ao redor do mundo. Do seu talento nasceram as marcas comemorativas dos dez anos do centro de artes de Paris, Georges Pompidou e dos 80 anos do Cristo Redentor.

 

Nilton Bonder

Aos 54 anos, Nílton Bonder é rabino, escritor, consultor de empresas e surfista. Com formação em Literatura Judaica, já venceu o Jabuti, em 2000, e o de melhor escritor judaico em 2002. Também é reconhecido por seu trabalho por causas humanitárias. Em 2011 ganhou o 1º Prêmio Rio Sem Preconceito.

 

Vik Muniz

Um dos grandes artistas brasileiros da atualidade. Esse é Vik Muniz, que já expandiu seu talento por todo o mundo, sempre com materiais baratos e inusitados. Foi presenteado com uma ala inteira dedicada às suas criações no Museu de Arte Moderna de Nova York e protagonista do documentário indicado ao Oscar “Lixo Extraordinário”.

 

Jarbas Agnelli

Videomaker, diretor de comerciais, músico. Esse é Jarbas Agnelli, que, em 10 anos à frente de sua agência, a AD Studio, já recebeu prêmios em Cannes e o Grand Clio, o mais prestigiado da propaganda americana e o primeiro dado a um vencedor de língua não-inglesa.

(Julia Ryff – redação OSC)

 

 

OSC
OSC

Comentários

Deixe um Comentário